Centro de Inteligência do Leite lança o Observatório do Consumidor

Centro de Inteligência do Leite lança o Observatório do Consumidor

25 de março, 2022

O que é o Observatório do Consumidor?

O Observatório do Consumidor (OC) é uma ferramenta inovadora criada para monitorar o perfil do consumidor e tendências de consumo de leite e derivados no Brasil, de forma dinâmica e de fácil visualização, através da análise do conteúdo postado em redes sociais.

O OC foi desenvolvido em parceria entre Embrapa, UFJF e IFSudeste. A ferramenta começou com a coleta de dados no Twitter em 07 de maio de 2020. Para o desenvolvimento deste trabalho, inicialmente desenvolveu-se uma listagem com 293 palavras-chave referentes a nomes de produtos lácteos pertencentes a 10 categorias de derivados: iogurte, leite condensado, manteiga, queijos, doce de leite, sorvete, creme de leite, leite, leite fermentado, bebidas lácteas.

Nesta primeira newsletter serão apresentados algumas das principais análises que a ferramenta nos permite realizar. Para conhecer mais sobre o OC acesse o link.

Estudos mostram que há uma relação entre postagens nas redes sociais e consumo. Como as postagens refletem assuntos de interesse dos indivíduos, elas refletem indiretamente o consumo.

Assim, a Figura 1 evidencia a variação do interesse do consumidor e, consequentemente, a variação do consumo de leite e derivados entre maio de 2020 e março de 2022.

Pode-se observar que no primeiro ano da pandemia do novo coronavírus, o número de tweets sobre leite e derivados estava em patamar elevado, com picos em torno de 200 mil postagens/semana. Isso coincidiu com o aumento de consumo de lácteos observado pelo mercado. Já em 2021, o número de tweets e o consumo caíram. Do último trimestre de 2021 em diante, as variações de postagens têm sido maiores, o que indica também maior volatilidade do consumo. No entanto, há indícios de um nível de consumo de lácteos mais elevado em 2022.

Quais são os derivados lácteos mais mencionados?

Com os dados do OC é possível identificar os derivados lácteos que despertam mais interesse dos internautas. No Twitter, os produtos mais citados entre maio de 2020 e março de 2022 foram: queijos, leite condensado, manteiga, sorvete e doce de leite.

Ao longo de quase toda a série, os queijos foram os derivados mais mencionados. No entanto, o interesse pelo produto foi maior no primeiro ano da pandemia, com média de 75 mil tweets/semana. Em 2021, essa média caiu para cerca de 51 mil tweets/semana e em 2022 subiu um pouco para em torno de 56 mil tweets/semana. Estes dados sugerem ligeira retomada do consumo de queijos este ano, comparado com o ano anterior, mas ainda abaixo do patamar de 2020.

O sorvete se manteve na segunda colocação no ranking de tweets semanais por quase todo o período, chegando a ultrapassar os queijos em alguns momentos.

Em média, o número de tweets diminuiu para quase todos os produtos entre 2020 e 2021, o que demonstra o interesse maior dos consumidores pelos lácteos no primeiro ano da pandemia. Apenas leite condensado e manteiga ampliaram as publicações em 2021 em 25% e 82%, respectivamente. O resultado do leite condensado foi influenciado por um pico de tweets em janeiro de 2021. Esse outlier (ou seja, ponto fora da curva), ocorreu devido à divulgação de elevado valor de compras do governo federal envolvendo o produto.

Já a manteiga, merece destaque, com elevação do número de tweets ao longo da série. Em 2020, a média semanal de postagens sobre manteiga aumentou 122%. Na comparação com 2020, a manteiga é o único produto da Figura 2 que apresentou crescimento de postagens no Twitter: 305%. No entanto, é importante ressaltar que o lançamento da música Butter do grupo sul-coreano BTS em maio de 2021 tem influenciado nesse resultado.

Total de tweets durante todo o período

Ao longo de 98 semanas de análises, o OC analisou mais de 16 milhões de tweets sobre leite e derivados. Para a maioria dos produtos, a coleta começou no dia 07 de maio de 2020. No entanto, novas palavras-chaves foram introduzidas na base de busca em 09 de setembro de 2021.

Do total de tweets analisados, o maior percentual refere-se aos queijos: 35,93%. Já o produto menos citado foi o leite fermentado, com apenas 0,2% dos tweets.

Além dos queijos, merecem destaque também o sorvete e a manteiga com 24,41% e 15,69% das citações, respectivamente.

É interessante notar que o leite fluido, apesar de ser o produto lácteo mais consumido do Brasil, não aparece com muita frequência nos tweets, sendo responsável apenas por 6,17% das menções. Isso evidencia que, apesar de ser um alimento típico da dieta brasileira, o produto não tem despertado o interesse da população que navega no Twitter. Esse pode ser um dos pontos que explica a queda de consumo de leite fluido no Brasil e no mundo e a substituição pelo consumo de outros derivados lácteos que são mais atraentes do ponto de vista do consumidor.

Ratifica essa informação, o fato de 3 dos derivados lácteos mais mencionados no Twitter serem considerados produtos indulgentes, ou seja, aqueles que são consumidos pelo prazer, os quais são: sorvete, leite condensado e doce de leite.

Polaridade de sentimentos

Para compreender melhor o conteúdo das postagens sobre leite e derivados, o OC trabalha com uma ferramenta chamada Análise de Sentimentos. Como o próprio nome diz, essa análise identifica a polaridade do sentimento expressa no texto da postagem que pode ser, negativo, neutro ou positivo.

A Figura 3 apresenta a Análise de Sentimentos para queijos artesanais. Pode-se observar que a grande maioria das publicações sobre estes derivados do leite no Twitter são positivas, ou seja, expressam um conteúdo positivo sobre os produtos lácteos. Isso garante que a análise que está sendo feita reflete realmente o consumidor de lácteos e não opiniões opostas ao setor. Portanto, na maioria das vezes, o conteúdo publicado apresenta desejo de consumir, prazer em consumir, vontade de comprar ou compras efetuadas, entre outras expressões positivas sobre os lácteos.

Geolocalização dos tweets sobre lácteos

Quando se trata de analisar tendências de consumo e perfil de consumidor, uma variável importante é a localização do consumidor. Ainda mais em um país de dimensões continentais como o Brasil. Neste sentido, o OC analisou a localização de todos os usuários do Twitter que publicaram sobre leite e derivados e que disponibilizaram uma localização válida na rede social.

Pela Figura 4 observa-se que São Paulo é o estado que mais publica sobre leite e derivados, mencionando 2 vezes mais os lácteos do que o segundo colocado neste ranking, que é Minas Gerais.

No geral, os estados do Sudeste e Sul publicam mais do que os das outras regiões. Assim, o mapa de tweets sobre lácteos se assemelha muito com os mapas do consumo de lácteos e da renda no Brasil.

 

 

Fonte: Centro de Inteligência do Leite (CILeite/Embrapa)

Foto da capa: Oaklins

Disponível em: observatoriodoconsumidor.cnpgl.embrapa.br/obc/derivados/index.php?pagina=newsletter

  • EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

  • Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

  • Qual devo escolher: Transferidor ou Canalizada?

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Qual devo escolher: Transferidor ou Canalizada?

Proluv
Top