Aquecimento global: a vaca não é o problema, mas a solução

Aquecimento global: a vaca não é o problema, mas a solução

31 de julho, 2022

Restrições à criação de gado, ao redor do mundo, causam muitos danos e nenhuma solução ambiental. Repetimos, quase como um mantra, que o metano emitido pelo gado não aquece o planeta, mas faz parte de um ciclo biogeoquímicos, no qual é reciclado na fotossíntese.

As mesmas vacas que nos fornecem leite, um alimento tão fundamental para a nossa saúde, o nosso desenvolvimento cognitivo e a nossa cultura alimentar, são as mesmas vacas capazes de nos libertar da dependência de combustíveis fósseis, que é responsável pela aceleração das alterações climáticas.

Com uma crise energética relacionada com o petróleo proveniente da Rússia, as primeiras instalações de biogás começaram a aparecer na Alemanha em 2002, estabelecendo a tendência na geração de energia através do tratamento de efluentes.

O estudo da digestão anaeróbica surgiu da engenharia sanitária, como um dos muitos processos que existem para o tratamento de efluentes, especialmente águas residuais. Quando se apercebeu que este tratamento gerava um volume significativo de energia e, especialmente nos últimos anos, quando se deu ênfase à necessidade de reduzir as fontes de combustíveis fósseis, a utilização desta tecnologia para gerar bioenergia começou a proliferar.

Com um valor calorífico de 5500 kcal por m3, o metano pode substituir o combustível fóssil. A tecnologia alemã espalhou-se pelos países nórdicos, chegou ao Brasil e está também presente no Canadá e nos Estados Unidos.

Ao gerenciar uma exploração agropecuária com um processo intensivo de criação de gado, o efluente já não é um resíduo, mas um subproduto: a matéria-prima do gás natural biológico, ou biometano. A produção de biogás tem um duplo impacto positivo: ao mesmo tempo que contribui para a saúde ambiental, nesse ambiente saudável, permite que as pessoas utilizem uma tecnologia que também lhes dá um retorno económico na geração de energia.

O biogás é uma mistura de gases  produto do processo de fermentação anaeróbica de resíduos orgânicos, que neste caso são recursos  dos quais 60% são combustíveis. Ao decompor estes recursos em certas condições, tais como a ausência de oxigénio e a ação de certas bactérias metanogénicas que atuam na sua fermentação, podemos produzir biogás. Este biogás contém 60% de metano, 30% de dióxido de carbono e vestígios de outros gases, tais como sulfureto de hidrogénio, nitrogênio, vapor de água e vestígios de oxigénio. O gás metano é o upgrade do biogás.

Neste esquema circular, gerando-se gás metano a partir de uma fonte renovável, biológica ou natural e queimando-o, o carbono (o principal GEE) é equilibrado. Isto reduziria o efeito que este gás teria na atmosfera por um fator de 20, tornando-o um grande instrumento para mitigar os efeitos das alterações climáticas, bem como para substituir fontes de energia fóssil, como o gás natural.

A tecnologia de digestão anaeróbica pode ser aproveitada para o saneamento de estabelecimentos agroindustriais  como as explorações leiteiras  utilizando a energia produzida para gerar eletricidade, calor ou frio, permitindo o auto-abastecimento do seu consumo interno e gerando poupanças substanciais. As complicações de poluição associadas aos efluentes lácteos são, em última análise, uma oportunidade económica.

Tudo depende de como o efluente é tratado, como é recolhido e da sua qualidade, mas para cada kg de estrume fresco de uma vaca leiteira, obtém-se um rendimento de até 40 litros de biogás. Em um sistema pastoril, entre o recinto da exploração e a sala de ordenha, podem ser obtidos até 3 kg de estrume fresco de cada animal.

Há muitas experiências positivas com a utilização de biodigestores em grandes explorações leiteiras e menos experiência em escalas menores. O mercado oferece uma grande variedade de biodigestores em termos de desenho, materiais, preço, capacidade, eficiência na produção de energia, facilidade de manutenção, etc. É necessário encontrar aquele que melhor se adapte em cada sistema, tanto em termos técnicos como econômicos.

A multiplicidade de benefícios diferencia os biodigestores de outras tecnologias de energias renováveis, que apenas produzem energia, e de outros processos de tratamento de resíduos orgânicos, que apenas produzem fertilizantes para reciclagem de nutrientes.

A atual gestão de resíduos representa um ponto fraco para o sistema de produção de leite. Poucos produtores tem um manejo adequados dos efluentes, muitos depositam efluentes em lagoas não seladas e, em geral, há uma falta de conhecimento sobre a quantidade e qualidade dos efluentes gerados.

As mudanças a favor dos cuidados ambientais são uma tendência, porque  à medida que a ciência e a tecnologia avançam  aprendemos a melhorar em todos os aspectos, sem negligenciar o desempenho produtivo. É importante chamar a atenção para o fato de que não vão "salvar” o planeta dizimando o gado, nem sufocando os produtores com mais impostos, que  no final  nada mais fazem do que retirar-lhes as suas possibilidades de investir em novas tecnologias.

Não há nada mais sustentável do que o campo para produzir os nossos alimentos. E embora o produtor rural trabalhe incansavelmente para proteger a natureza, porque é o seu sustento e também a sua casa, é acusado por ativismo ignorante, ao qual a política cega responde sem perguntar à ciência ou observar a realidade.

Consumir produtos lácteos é bom para nós e produzi-los é uma nobre tarefa, cheia de amor, trabalho, cuidado com a natureza e atenção ao bem-estar animal. Ela é capaz de nos fornecer não só alimentos, mas também energia. Vamos apoiar a produção leiteira de todos os sectores da sociedade.

 

Escrito por: Valeria Guzmán Hamman

Traduzido e adaptado pela Equipe do Canal do Leite

Fonte: Edairy News

  • Etapas de higienização por sistema Clean in Place (CIP) e latão ao pé

    Gabriel Augusto Marques Rossi

    Médico Veterinário - Professor Dr. Unesp/Jaboticabal

    Etapas de higienização por sistema Clean in Place (CIP) e latão ao pé

  • EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

  • Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

Proluv
Top