Produção de leite cai globalmente e os preços internacionais de lácteos reagem

Produção de leite cai globalmente e os preços internacionais de lácteos reagem

24 de fevereiro, 2024

O cenário internacional segue com incertezas geopolíticas pela permanência de conflitos no Oriente Médio e no leste europeu. Apesar de ainda não impactar significativamente o preço das principais commodities, a extensão do conflito nas imediações do golfo de Aden e no Mar Vermelho fez com que o valor dos fretes marítimos disparasse a partir de janeiro. O crescimento econômico se arrefeceu em importantes economias como Japão, Alemanha e China. Esta última continua a enfrentar crise imobiliária, com o valor de ações de importantes construtoras atingindo as mínimas históricas. O corte recente dos juros no gigante asiático é mais uma tentativa de o governo central imprimir maior dinamismo na economia.

Apesar da queda das compras de lácteos pela China, e outros importantes mercados consumidores, a oferta global também se retraiu, se ajustando à demanda. Isso permitiu alguma recuperação dos preços no mercado internacional. O preço do leite em pó integral atingiu US$ 3.388,00 por tonelas no último leilão do GDT, valor significativamente superior aos US$ 2.500,00 observados há seis meses.

O crescimento econômico projetado para a economia brasileira em 2024 está em 1,6%, valor menor que o estimado para 2023 (cerca de 3%). A economia nacional parece estar diminuindo o ritmo de crescimento, mas desemprego e inflação permanecem comportados. Todavia, desafios aparecem no horizonte macroeconômico. O aumento dos gastos públicos, sem contrapartida de aumento da arrecadação em 2023, reverteu o superávit primário que havia sido conquistado em 2022, levando ao maior déficit do orçamento federal desde 2020 (ano da pandemia da Covid). O controle dos gastos públicos, bem como a queda dos investimentos observada e o menor valor das principais commodities exportadas pelo país são informações importantes que podem influenciar o ritmo de crescimento da economia brasileira em 2024.

No ano de 2023, a disponibilidade de lácteos aumentou mais de 5%, ilustrando a recuperação do consumo observada. No entanto, a captação pelas indústrias lácteas aumentou apenas 1,6%, mostrando que a produção nacional pouco evoluiu no ano de 2023. O aumento do consumo foi viabilizado, basicamente, pelo crescimento de 68,8% das importações neste ano, em relação a 2022. Em 2023 mais de 8% da oferta de leite e derivados no país foi de origem importada.

O maior consumo de lácteos no Brasil em 2023 foi possível não só pelo aumento da renda da população, mas também pela pequena queda no preço dos lácteos que, em média, ficaram 2,5% mais baratos no ano de 2023. O leite UHT viu seu preço diminuir quase 7% no ano passado.

Os preços de insumos pagos pelos produtores voltaram a se elevar nos últimos meses. O ICPLeite, que mede o aumento dos custos de produção de leite, atingiu 1,9% em janeiro de 2024. O valor acumulado em 12 meses ainda está próximo de zero, influenciado pelas deflações observadas no primeiro semestre de 2023. Os preços do leite no mercado spot e o UHT no mercado atacadista de São Paulo estavam aumentando nas últimas semanas, mas apresentam tendência de estabilização nos últimos dias. Este pode ser um indicador que, as altas de preços ao produtor que estão sendo observadas este ano em plena safra, podem perder ritmo.

Figura 1. Variação percentual acumulada dos componentes da disponibilidade doméstica de leite e derivados (em equivalente litros de leite, nos últimos 12 meses)

Fonte: Embrapa Gado de Leite

  • Como a vaca Jersey evoluiu para se tornar um fenômeno global

    Marcelo de Paula Xavier

    Editor do Canal do Leite, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Como a vaca Jersey evoluiu para se tornar um fenômeno global

  • Últimas vacas Jersey classificadas EX-96 e EX-97 nos Estados Unidos

    Marcelo de Paula Xavier

    Editor do Canal do Leite, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Últimas vacas Jersey classificadas EX-96 e EX-97 nos Estados Unidos

  • Raça Jersey quebra a barreira das 1.000 libras de gordura nos EUA

    Marcelo de Paula Xavier

    Editor do Canal do Leite, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    Raça Jersey quebra a barreira das 1.000 libras de gordura nos EUA

COMPARTILHAR

CONTEÚDOS ESPECIAIS

Proluv
Top