Leite em números

Leite em números

29 de junho, 2022

Escrito por Paulo do Carmo Martins

 

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP, acaba de divulgar um estudo profundo sobre a cadeia produtiva do leite. Eles estimam que o setor faturou R$138 bilhões no ano passado, até no portão da fábrica. Então, eu estimo que o faturamento do setor até no caixa do supermercado chegou a R$ 166 bilhões. Portanto, nosso setor representa cerca de 2% do Produto Interno Bruto - PIB. Isso faz com que o setor seja o terceiro em faturamento na indústria de alimentos do Brasil.

Ou será o primeiro? Pela classificação do IBGE, o primeiro lugar em faturamento é o de “Abate e fabricação de produtos de carne”, que envolve todo o complexo de avicultura, suinocultura, pescados e carne vermelha. E em segundo, a fabricação de “’Óleos e gorduras vegetais e animais”, que envolve todo o complexo vegetal. Portanto, focado em apenas um setor, Leite e Derivados é a primeira cadeia de valor da indústria de alimentos brasileira.

Cerca de 79% das propriedades tem até 50 vacas. Se subirmos para 100, chegamos a 90%. Entre 2011 e 2020, houve uma queda de 30% do número de vacas ordenhadas, que foi para 16,2 milhões, mas a produção cresceu 10% e a produtividade cresceu 59%, com o faturamento das propriedades crescendo 17%, descontada a inflação. O Estudo tornou público que produzir leite tem margens entre a receita e o custo muito apertadas.

Entre 2010 e 2019 houve um crescimento de 18% no número de laticínios, chegando a 3924, com o crescimento número de empregos de 27%. Os cerca de 139 mil empregados receberam salários médios, em 2020, de R$ 4,8 mil, com o crescimento de 55% do valor, se comparado com 2010 em termos reais, ou seja, descontada a inflação.

Portanto, com cerca de 4 mil laticínios, fica evidente que o setor não é oligopolizado, como muitos acreditam. Cerca de 60% das empresas tem até 9 empregados. Se elevamos para até 50 empregados, chegamos a 90% do total das firmas que processam leite formal no Brasil.

No início da década, em 2010, cerca de 76% do leite industrializado foi usado na produção de queijos, Leite UHT e Leite em Pó. No final da década, foram cerca de 79%. Portanto, mudança não significativa deste total. Mas, a destinação para queijos neste período cresceu de 28% para 39%, com queda da destinação para Leite em Pó, que caiu de 24% para 18%, e de UHT, de 24% para 22%. Em termos de faturamento, estes três produtos representavam 66% e caíram para 51%, com queda significativa para todos, principalmente para Leite em Pó.

O faturamento da Indústria de Alimentos cresceu 23% na década passada, em termos reais. Mais que o setor industrial brasileiro de transformação, que somente cresceu 4%. Mas, foi menos que o setor de laticínios, que atingiu 33%. Todavia, os custos da Indústria de Alimentos cresceram 31%, enquanto que nos laticínios atingiram 58% de acréscimo. Isso impactou as margens do setor, que teve perda de 10%, enquanto que a Indústria de Alimentos viu suas margens crescerem 10%.

A população brasileira cresceu 8% entre 2011 e 2020, e o consumo per capita de leite cresceu 3%. Portanto, um crescimento expressivo de mercado de 11%. O brasileiro está consumindo 172 litros por ano. Estamos próximos do consumo per capita do europeu (233 litros/ano). Mas, muito distante dos americanos (327 litros/ano) e o dobro da média mundial (88 litros/ano). Mas, bem aquém dos irmãos argentinos (265 litros/ano).

O Estado que mais consome leite e derivados é São Paulo, com cerca de 26% do total brasileiro, e com grande dianteira sobre MG (10%), RJ (9%), RS (8%) e BA (7%). Juntos, estes cinco estados consomem 60% da produção nacional. Em termos de regiões do Brasil, o Sudeste consome 47% e já não é autossuficiente. O Sul consome 18%, o Centro-Oeste 7% e abastecem o restante do Brasil, com destaque para as regiões Nordeste e Norte, que consomem 28% do total.

A cada quatro litros de leite consumidos na forma fluida ou derivados, um litro vai para as famílias com renda de até três (SM), outro para as famílias que tem renda acima de dez SM, e dois litros são consumidos pela classe média, ou seja, famílias com renda entre três e dez salários.

Do total de Leite em Pó consumido no Brasil, 23% vai para as famílias com renda até três SM e 16% para os de renda acima de dez. Leite Fluido tem comportamento semelhante, com 14% e 19% para as mesmas categorias.

As maiores disparidades de escolha são encontradas no Leite Fermentado, Queijos e Manteiga. Apenas 5% do Leite Fermentado é consumido pelas famílias de baixa renda, contra 38% para os de alta renda. O similar ocorre com Queijos, na proporção de 7% e 39%, e Manteiga, com 9% e 39%. Já bebida láctea, tem seu consumo distribuído por todos os seguimentos. As famílias de baixa renda consomem 23% e as de alta renda 34%.

O estudo completo encontra-se no portal da Fiesp. Este texto foi inspirado na pesquisadora Rosângela Zoccal, aposentada na Embrapa, que durante muito tempo fez sucesso na Balde Branco, com uma coluna que tinha o mesmo título deste artigo.

  • EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

    Marcelo de Paula Xavier

    Produtor Rural, Administrador de Empresas e Mestre em Agronegócios

    EUA: Jersey bate todos os recordes de produção mais uma vez

  • Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Velocidade de ordenha e lesões nos tetos

  • Qual devo escolher: Transferidor ou Canalizada?

    Jeferson Luiz Piccoli

    Especialista em Sistemas de Ordenha

    Qual devo escolher: Transferidor ou Canalizada?

Proluv
Top